20.1.17

Filmes #144

 E depois de comentar com vocês que a segunda metade do ano de 2016 foi muito fraca em filmes aqui para estes lados, eis que nas primeiras 3 semanas deste novo ano já consegui ver 4 filmes (o Star Wars não conta, que foi visto na última semana de 2016). 
Se isto continuar assim, promete...! 

Foram todos filmes que estavam a dar ou tinham dado na televisão e que graças às maravilhas das boxes que nos deixam andar para trás e rever coisas que já deram, fui vendo conforme tinha tempo e me apetecia.


Victor Frankenstein 
  

Confesso que este me chamou particularmente a atenção por ter no elenco o Daniel Radcliffe, eterno Harry Potter; queria vê-lo noutro filme e ver até que ponto se conseguia ou não libertar do personagem tão marcante a que o associamos. Relativamente ao filme não sabia nada, embora o título remetesse sem grande dúvida para a história do Frankenstein. No entanto, e apesar de não ter lido o livro de Mary Shelley nem ter visto qualquer adaptação cinematográfica, tenho uma noção da história original e foi-me possível perceber que este filme não a segue integralmente, funcionando mais como uma recriação, com alguns aspectos bem diferentes do original. Assim de um modo geral, posso-vos dizer que o filme me foi desiludindo ao longo do tempo; se no início me conseguiu cativar de alguma forma fazendo-me ver o restante, para saber como se desenrolaria a história, à medida que as coisas iam acontecendo o meu entusiasmo foi diminuindo e fiquei com a ideia de que houve alguns aspectos que não foram bem desenvolvidos e que acabaram por não resultar muito bem. 



Paper Towns - Cidades de Papel


Outro filme, bem diferente do primeiro, foi Cidades de Papel, baseado no livro de John Green, o mesmo autor d' A Culpa é das Estrelas (que já li, e de que já vos falei aqui). Ainda não tinha lido o livro, mas como não era daqueles que fazia questão de ler, fiquei a ver o filme. A história tem alguns momentos engraçados, tem um toque de humor que me começa a parecer próprio do autor, e que me agrada particularmente, mas não passa muito disso.  Bem sei que não sou o público alvo do livro nem do filme, mas ainda assim não fiquei especialmente entusiasmada com a história.


Joy - Joy: O nome do sucesso


 Fiquei com alguma vontade de ver este filme desde que esteve nomeado para os Óscares, o ano passado, para a categoria de Melhor Actriz Principal, graças ao desempenho de Jennifer Lawrence. No entanto, e graças à desilusão que foi o "Guia Para um Final Feliz", estava um bocadinho reticente e sem grandes expectativas. Gostei da história, que tão bem transmite a capacidade que muitas mulheres têm de serem o pilar da família, arcando com uma série de responsabilidades e problemas, conseguindo ainda dar cartas no campo profissional, com muito empenho e mérito próprio, apesar de todas as adversidades, e gostei também do desempenho da Jennifer Lawrence. É um filme agradável, que entretém, mas continuo a preferir "A Golpada Americana", filme do mesmo realizador.


La Giovinezza - Youth - A Juventude


Este filme também esteve na lista dos nomeados para os Óscars do ano passado, na categoria de Melhor Canção Original, mas o que realmente me suscitava curiosidade para o ver era o facto de ser do mesmo realizador do filme A Grande Beleza, que ainda não vi, mas que ganhou o Óscar para Melhor Filme Estrangeiro em 2014.
A primeira coisa que salta à vista e aquela que destaco particularmente é a fotografia deste filme, absolutamente maravilhosa e envolvente. Relativamente à história, é aparentemente simples, mostrando-nos dois grandes amigos, já com alguma idade, que se hospedam neste hotel de luxo. No entanto, cada um deles parece representar, de certo modo, uma faceta: enquanto um está reformado e aceita esse momento, quase que se entregando à apatia, o outro ainda está activo, a tentar produzir aquele que será o seu último filme, o seu "testamento", estando ali, juntamente com um grupo de jovens, exactamente em busca do final perfeito para ele. Estas facetas vão sendo exploradas nos diálogos deliciosos entre estes dois amigos, sendo precisamente aí e nos acontecimentos paralelos envolvendo os restantes personagens que o filme nos faz ultrapassar a aparente simplicidade do argumento, fazendo-nos reflectir sobre uma série de questões. 

E vocês, o que têm visto ultimamente?
Já viram algum destes? Partilham da minha opinião?

6 comentários:

м♥ disse...

Também achei o Joy um pouco aquém das expetativas e preferi Golpada Americana. Achei bem melhor!

Este ano ainda só vi dois, mas ja despachei 3 temporadas inteiras de séries que comecei a ver entretanto e tenho visto as séries que tenho em andamento, por isso não está mau :)

Cynthia disse...

Desses, só vi Paper Towns. Já falei sobre ele no meu blog. É engraçadinho, nada que nos prenda ao ecrã, mas vê-se bem :)

Green disse...

Bons filmes que quero ver :)

Sara Moreira disse...

Vi a cidade de papel e o joy e por acaso não gostei muito dos filmes :/ Os outros não vi, mas parecem-me ser bons :)

Moa disse...

tenho ali montes para ver, mas não há tempo nem disponibilidade psicológica...

Mary disse...

Este início de ano também estou mais vocacionada para filme,só que de desenhos animados lol ;)